domingo, 10 de outubro de 2010

A Loucura De Hoje


As lágrimas de ontem não rolaram,

Alojaram-se no meu peito afugentado;

Escondi-me num pano negro,

E mesmo assim não foram embora.

Eu estava lá, coberta.

Senti que puxavam-me os pés;

Gelei, e os trouxe de volta pra mim,

Para minh’alma envolta em luto.

Pensei apenas em sobreviver.

Então, me encolhi respirando transparente.

Mas já não me havia túnel, nem luz.

Havia lobos ferozes de fantasia,

Que mordiam-me sem dó a mão.

Porém, apodreceram...

Restou-me a loucura de hoje.

(Lidiane Bl@n¢h3tT)

3 comentários:

Fabinho Fernandes disse...

Perfeito!

Lidiane disse...

Sim! Cada momento um sentimento. Este foi um dos primeiros que escrevi. Ainda com um ar de não maturidade bem perceptível.

Fabinho Fernandes disse...

Muito bom mesmo!